O Profissional de Gerenciamento de Risco e a Pandemia

Imagine a avenida Rio Branco ou a avenida Paulista sem congestionamentos ou pessoas caminhando pelas calçadas. Pense nos jogos de futebol. Mas, ao invés de estádios cheios, imagine os jogadores exibindo suas habilidades em campo para arquibancadas vazias … bancos, repartições públicas, teatros, bares e tantos outros estabelecimentos fecharam as portas ou por falta de funcionários ou por falta de clientes.

Você já deve estar pensando que o relato acima trata-se da Pandemia de 2019. Na verdade, refere-se à Gripe Espanhola que chegou ao Brasil em 1918.

Fonte: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=815&sid=7

Sobre a Pandemia atual, podemos escrever: De repente tudo mudou. As aulas presenciais passaram a ser remotas, o comércio fechou as portas, hospitais começaram a ficar lotados, as ruas desertas, bolsa de valores despencou, dólar subiu como nunca antes, caos instalado, pânico, medo, incertezas …

Alguma semelhança?

E se fosse uma guerra, o que mudaria no texto?

E se fosse um atentado terrorista? Ou um desastre ambiental?

Não importa, a descrição de um desastre é sempre muito semelhante, independentemente de sua causa.

Importante nesse cenário é criar ordem onde há caos. Criar tranquilidade onde há incertezas. Criar segurança onde há medo. Qual tipo de profissional deve atuar nesse sentido? Resposta: profissional do risco.

Basicamente esse profissional é quem estuda, identifica, calcula e gerencia todos os cenários possíveis e inimagináveis.

Importante entender que risco é uma ciência probabilística onde, mesmo que muito bem calculada e gerenciada, não impede que o desastre venha a ocorrer ou ainda, pode haver um cenário que nunca foi imaginado, como o atual.

Após a ocorrência do desastre, vem o gerenciamento de crise.

Ponto principal para ter sucesso no gerenciamento de crise é aceitar o cenário atual e se adaptar a ele, tentando minimizar os impactos.

Não adianta ficar chorando pelo leite derramado. O desastre aconteceu e está aí. Você precisa aceitar e se adaptar a ele.

Entende-se que existe um perfil muito bem delimitado de profissionais que possam atuar nessa área com sucesso.

Profissional do risco não pode ser engessado, retrógrado e pessimista.

Um bom profissional do risco se adapta às mudanças, segue em frente e assume as suas responsabilidades e desafios.

Pessoas resistentes a mudanças e sem resiliência dificilmente conseguem atuar com sucesso em momentos de crise.

Concluindo, acredito que o momento atual está nos dando uma grande oportunidade de exercitar nossa resiliência e adaptabilidade. Não perca essa chance. Aceite a mudança e faça a gestão. O mundo nunca mais será o mesmo e se você não se adaptar, o seu risco já está acima do aceitável.

Gerencie o seu risco e tenha sucesso.

 

 

Por: Kerley Oliveira, Dr.

Kerley Alberto Pereira de Oliveira tem 24 anos de experiência na aviação. Veterano da FAB no posto de Tenente-Coronel R1, especialista em aviônica, mecânico de voo, pertenceu ao Grupo de Transporte Especial, esquadrão responsável pelo transporte do Presidente da República (Air Force One) e seu time de primeiro escalão. É membro consultor da Comissão de Direito Aeronáutico da OAB-MG. Graduado em física pela UFMG, Pós-Graduado em Segurança de Voo e Aeronavegabilidade Continuada pelo ITA, possui Mestrado e Doutorado pela UFMG. Credenciado pelo CENIPA em prevenção e investigação de acidentes aeronáuticos e mergulhador certificado pela PADI. Professor e coordenador de cursos de graduação e pós-graduação na UNA e PUC atuando nas áreas de gestão educacional, cursos e treinamentos, regulamentação aeronáutica, safety & security, aeródromos e helipontos e gerenciamento de riscos. É sócio e diretor educacional na AirTalent.

Deixe um Comentário